Quer acreditemos ou não, a vida tem um jeito bastante sábio de colocar as coisas em ordem. E com a mesma precisão com a qual organiza, também desorganiza. A real é que a vida é tão cheia de nuances que se apegar a qualquer uma delas é bobagem das grandes.

Há sabedoria na incerteza. E nós somos incertos o tempo todo — TUDO é incerto o tempo todo. E por trás de tudo isso há um belíssimo ensinamento: viva o aqui, viva o agora. Nada é mais forte do que o que está conosco hoje. Faça seu melhor e vá além. Entregue-se, sinta as coisas devagar, sem pressa e sem cobranças. O agora é nosso eterno e nosso infinito.

Muitas coisas são difíceis de engolir. Tem hora que é mais fácil negar, fingir que não se está sentindo nada e fugir do incômodo, da dor. Mas da dor não se pode fugir. A dor a gente pega no colo e acalma, acalma, acalma… Ela precisa de atenção e precisa ser vivida.

Coisas

A real é que gostamos de nos enganar, né? Facilmente colocamos pessoas e coisas acima de nós e raramente separamos um tempo para olharmos pra dentro. A gente esquece de viver a dor e também esquece de viver o amor. Nós estamos muito pra fora. Olhar pra dentro, viver pra dentro e saber amar o que vem de dentro — seja luz ou seja sombra — é dever e também direito nosso. Não há cura sem amor, não há amor sem entrega e não há entrega sem interiorização. Não se foge disso. Nossa liberdade vem de dentro.

Nós sabemos pouco sobre nós mesmos, mas nós achamos que sabemos muito. O caminho é infinito e o processo não tem fim. Muitas vezes sangra, machuca fundo, dá raiva e preguiça e vontade de sair correndo e ser outra pessoa. Quando vemos nosso lado escuro o medo é grande e a raiva também. Porém, nosso lado luz nos mostra que vale a pena e que sem a escuridão não saberíamos o valor da claridade.

Com o que você se identifica? Com a sobra ou com a luz? Quem você escolhe ser momento a momento? Qual lado você escuta? Qual lado você alimenta?

Não se pode fugir da dor. Da escuridão. Do medo. Da raiva. Da angústia. Isso tudo faz parte da gente e é só somente conhecendo tudo isso que nos parece feio e que enxergamos quanta beleza enraizada carregamos dentro do peito.

Seja sua prioridade. Sempre. Mergulhe pra dentro de você. Há felicidade no caminho de volta pro seu lar (que nunca foi fora de você).

CategoriesSem categoria
  1. Pingback:desfechos imaginados - Cabeça de Nuvem

  2. Pingback:bota o dedo na ferida, sim. - Cabeça de Nuvem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.