Categorias
Autodesenvolvimento

o modo como você faz uma coisa é o modo como você faz todas as outras.

Como você lida com as coisas grandes é como você lidará, também, com as pequenas. A atenção que damos pro pequeno mostra como cuidamos do grandioso. Não há separação, há apenas você. Nós nos colocamos pra fora em cada decisão tomada, em cada escolha de palavras, em cada sentimento expressado. Isso equivale a dizer que “se você é fiel no pouco, você também será fiel no muito”. As coisas funcionam assim.

O grande está recheado de um monte de coisinhas. Caso não haja coisinhas dentro da tal coisa grande, ela não passará de um grande vazio. E o que é um grande vazio? É nada, apenas vazio. A nossa felicidade não depende do tanto de coisas imensas que conquistamos, mas de como cuidamos dos detalhes: afinal de contas, eles é que formarão nossa imensidão.

Como você cuida das sutilezas do seu dia-a-dia? Como você celebra a existência dessas pequenezas? Se não soubermos cuidar do pequeno que nos é dado, não saberemos cuidar do grande — que pode ou não chegar. Não adianta passar uma vida inteira alimentando ilusões vazias pois nossa existência não é sobre elas. Nossa existência é sobre colecionar – com o mais amoroso desapego – coisinhas. O modo como as vivemos é o modo como viveremos as coisonas.

Um brinde às coisas pequenas. Que elas nos inundem a vida. Que nós saibamos olhá-las com afeto. Vivê-las com afeto. Sentí-las com afeto. Que não esperemos o extraordinário chegar para colocar pra fora o que há de mais belo dentro do nosso peito — que sejamos capazes de fazê-lo com o mais minúsculo acontecimento.

E tudo isso diz tudo sobre quem somos. O modo como você faz uma coisa é o modo como você faz todas as outras.