v

vai ver, você sabe muito pouco sobre você…

Nós sabemos pouco sobre nós mesmos. Vivemos boa parte de nossas vidas com foco no que vem de fora: parecer bom para os outros, alegrar aos outros, ajudar aos outros, não atrapalhar os outros… Tudo se resume aos outros, e nunca a nós mesmos.

Porém, estamos nessa vida para evoluir e voltar pra dentro. Antes de qualquer coisa: isso não é egoísmo. Viver para dentro é mais altruísta do que viver para fora, acredite.

Ao voltarmos para nosso verdadeiro lar (nós mesmos), percebemos que a vida vira do avesso e transforma nossas perspectivas. O que antes era importante, agora parece bobo demais. E o engraçado é que passamos a vida acreditando que o avesso é o lado errado… A vida é mesmo irônica.

De tanto viver pra fora, esquecemo-nos de quem somos. Nos machucamos, nos deixamos pra depois, procrastinamos nossa própria vida para viver a vida de outros. Perdemos nossa própria referência, nos achamos péssimos, vangloriamos demais as opiniões alheias, nos ofendemos facilmente e nos culpamos. A culpa, muitas vezes, é latente, mas o estrago é gigante.

Menina mergulhada no espaço.

Esses sintomas indicam claramente que você não sabe quem é você. Você não se conhece. Nada, nadinha. Você esqueceu sua essência.  Quem se conhece, ao menos um pouco, reconhece sua excelência. Nós nascemos completos, mas fomos nos despedaçando ao longo da vida. E o autoconhecimento nos reintegra novamente. É realmente fenomenal.

Conhecer-se e reconhecer-se é bem parecido com nascer de novo. Sério. Tudo fica diferente (inclusive você). Não é do dia pra noite e, sinto dizer, é pra vida toda. Cada dia é uma nova aventura, um novo desafio. Você expande sua consciência e percebe que a vida te traz situações personalizadas só pra te ajudar. As experiências, vez ou outra, são meio chatinhas, mas elas fazem sentido. E você as valoriza, uma a uma. E o aprendizado? Constante. A vida é uma escola (e das boas).e

Observar-se é o primeiro passo. Fique em silêncio, fique sozinha, aprecia a solidão e não tenha medo de olhar pra dentro e encarar seus fantasmas. Eles não são tão assustadores assim. Tendemos a aumentar a proporção dos nossos defeitos, mas quando damos novos significados a eles, vemos que eles também nos trazem inúmeros benefícios e até te livram de várias coisas — porém, temos que aprender a enxergar através deles.

Ao observar-se, você se percebe incrível. Isso mesmo. Você é incrível. Um ser humano fantástico (com direito a replay rs) e completo. Você é um universo inteiro, você carrega a divindade em você. Já parou pra pensar nisso? Você tem deus dentro de você! Isso ultrapassa qualquer concepção e derruba qualquer ideia de que você não merece o melhor e que apenas coisas ruins chegam até você.

Como tudo nessa vida, conhecer-se, observar-se e perceber-se são escolhas. Cada um de nós precisa fazer sua parte e abrir-se para as mudanças. Mudar dói, mudar exige muita entrega e muita paciência. Mas como humanos, vivemos em constante transformação — acostume-se.

Acredito que a maior lição que o ato de se perceber nos ensina é que precisamos deixar-nos em paz. Notar que você não ama a ninguém sem se amar antes; que não ajuda ninguém se não souber se ajudar; que não perdoa se não souber se perdoar. Só podemos colocar pra fora o que temos dentro — é impossível dar o que não se tem.

E ao perceber-se, você também percebe os outros. Você consegue enxergar beleza porque há beleza em você; consegue reconhecer a divindade que habita o outro porque deu espaço pra sua divindade coexistir com você; consegue reconhecer que, se você tem direito de viver à sua maneira, o outro também tem.

Mergulha pra dentro de você <3

Que tal refletir um pouco mais sobre isso? Leia esse texto aqui.

Quer mais? Veja esse também.

CategoriesSem categoria
  1. Pingback:Aprendendo a se amar... - Cabeça de Nuvem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.